Pular para o conteúdo principal

As pré-pessoas e o aborto.

A discussão de temas extremos e polêmicos tem ganhado força dentro da nossa sociedade, ao que eu atribuo uma tendência ao conflito, ao choque de idéias como uma guinada drástica na sociedade atual.

Um desses temas é o aborto, que tem tido uma oportunidade de ser apoiado ou criticado nas redes sociais, como uma lista de razões pró e contra, religiosos ou não-religiosos, de mães e não-mães.

O aborto é a interrupção de uma gravidez de forma voluntária através de diferentes técnicas, ou involuntária causado pelo organismo.

O que tem me chamado a atenção é que o aborto é o que eu chamo (intencionalmente) de "a solução final" para um problema que começou lá atrás e antes de falarmos sobre o aborto, precisamos falar sobre o que levou a aquela gravidez e para mim, é isso que deve ser tratado primeiro.

A lei brasileira já preve o aborto em casos de violência sexual e risco para a mulher, então quais são as razões que o movimento pró-aborto usa? Justamente a gravidez indesejada originada por um envolvimento inconsequente ou não planejado.

Sim, o corpo é da mulher, ela tem o direito de fazer com ele o que quiser, ceder aos desejos sexuais e sua líbido assim como o homem sem ser condenada por isso, assim como o homem, mas ambos tem a responsabilidade de arcar com as consequências disso. O problema é que o organismo da mulher é diferente do homem e é ela quem engravida, então a mulher infelizmente ou felizmente tem uma responsabilidade e um diferencial orgânico diferente.

Há uma forte sexualização em nossa sociedade, como uma capsula do amor colocada pela marca de preservativos Durex, no carnaval de Salvador e as pessoas precisam sim ter mais responsabilidade sobre isso e os seus atos. Então enquanto o homem pode ser imbecil e inconsequente e passar por isso sem ônus em seu organismo na maioria das vezes - e digo na maioria, pois existem as DSTs - a mulher pode sofrer com uma gravidez indesejada e não planejada.

Levando a mesma linha de raciocínio do corpo é da mulher, o corpo do feto é do feto. Haveria a mulher o direito de escolher sobre o feto?

Por isso eu acredito que antes de falarmos sobre o aborto precisamos falar sobre essa sexualização da nossa sociedade, sobre o ímpeto sexual, sobre o quanto o homem pode ser imbecil e abandonar a mulher sozinha com a consequência de um ato a dois.

O livro "O Pagamento" de Philip K. Dick,  taz o conto "As Pré-Pessoas", que mexe nesse vespeiro que é o aborto, abaixo descrevo o texto de Jocimar Oliani sobre o conto.
No mundo populoso de "As Pré-Pessoas", o aborto é permitido... com o detalhe que é um aborto *pós*-parto, ou seja, uma criança pode ser abortada *depois* de ter nascido... na verdade, se você for menor de 12 anos e não tiver um documento que afirma que seus pais o querem, você pode ser pelo caminhão da Instituição Municipal e levado para um lugar que, se apos 30 dias ninguém o adotar, você será morto... porque pela lei você não tem alma - que só existe em pessoas com 12 anos para cima e/ou capazes de matemática superior. Enquanto Ian Best sonha em levar seu filho Walter para longe dali e de sua fria esposa Cynthia, Ed Gantro, um adulto, é levado pelo furgão da Instituição Municipal, junto com seu filho, Tim, numa tentativa de provar a loucura daquele sistema.. Alias, o tom neutro que Philip K. Dick usa para narrar a história e a progressão "logica" de argumentos que permitiu a instituição do aborto pós-parto chega a tornar o conto de chocante a assustador - de maneira muito mais efetivas que muitos contos de horror, assim como o tom cometido com que Cynthia, a esposa de Best, comenta em engravidar apenas para realizar um aborto... é um mundo onde quem não tem como se defender, não tem uma chance - e isso por decisão da própria sociedade...como Ed Gantro e Ian Best admitem ao perceber que nunca poderiam fugir daquela realidade, fechando o livro com um final melancólico e que atinge o leitor... ao perceber que os absurdos do livro não residem com um força alheia do mundo, mas surge no próprio coração humano...
fonte: http://www.rederpg.com.br/portal/modules/news/article.php?storyid=1567

por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…