Pular para o conteúdo principal

Sou veementemente contra a Dilma ser re-eleita em 2014. Sou reaça?

As eleições estão próximas e com isso vem crescendo as ações de críticas, debates, acusações e todo um conjunto de ações para provar que A é melhor que B. Algumas das ações que o governo atual (PT / PMDB) faz constantemente, que é comparar cruamente a situação atual com a situação passada. Um dos movimentos do atual governo PTista é culpar o resultado do governo anterior (FHC - PSDB).

Na minha análise, essas comparaçõe criam sofismas - verdades criadas para confundir - uma vez que são feitas fora de contexto, como explico a seguir:

Quando o governo atual compara indices como desemprego e inflação do governo atual, com os indices do governo de FHC (PSDB) há 12 anos atrás. Nesses comparações cruas são excluidos do contexto o fato de que foi o plano real que permitiu uma estabilização da economia brasileira e que permitiu ao governo Lula fazer os investimentos que fez (alguns extremamente exagerados e desnecessários como sabemos hoje). O plano real começou a ser criado por FHC ainda quando ministro do governo de Itamar Franco (anterior ao de FHC).

Outro ponto é a metodologia usada, o IBGE no atual governo atual (PT / PMDB) compara os dados de desemprego sem levar em consideração a metodologia. Isso ocorre muito em comparação com o desemprego nos Estados Unidos. Aqui a pesquisa do IBGE considera como desempregado quem está em idade de trabalho e está procurando um emprego. Veja bem, se você tem idade para trabalhar, mas está dedicado aos estudos e não pretende trabalhar, você não é considerado desempregado pelo IBGE. Já nos Estados Unidos o indice de desemprego considera quem está em idade de trabalho, mas não trabalha, independente de estar ou não procurando emprego.
Obs: Não pesquisei como era considerado o índice no governo anterior do FHC/PSDB.

Além da metodologia, o governo atual (PT / PMDB) insiste em "reclamar" que muitos problemas atuais existem por falta de investimento no governo anterior (FHC PSDB). Essa afirmação, em meu entendimento, ultrapassa o limite do ridículo. O PT está no governo por 12 anos seguidos, e gozou de uma situação econômica muito melhor que a anterior, e reclama que o FHC não realizou obras nos 8 anos de mandato que teve (há 12 anos atrás), com uma situação política e ecônomica ruim.
Em outras palavras, a afirmação do governo atual quer dizer que em 12 anos - em condições melhores - o PT não teve condições de fazer algo que queria que FHC tivesse feito nos 8 anos, para que ele pudesse apenas aproveitar do legado.


Eu já disse aqui antes, o Brasil está bem por causa dos brasileiros que lutam apesar do peso do governo. Até algum tempo atrás eu insistia em dizer que a Dilma era determinada e executora e que o peso era a cama de gato que o partido criou, eu a via como algo apartado do partido, mas hoje minha percepção mudou. Ela é tão parte disso como todo o resto e seus aliados como o PMDB também.

O governo insiste em se nivelar por baixo, comparar os problemas de fora com os daqui, dizer que tudo bem haver desemprego aqui, pois há nos Estados Unidos, ou em países da Europa, mas novamente se esquece do contexto e todos os outros indicadores desses países.  Era para estarmos muito melhores e não estamos porque as políticas do PT (e aliados) são lastros que nos mantém embaixo, enquanto fazemos o maior esforço para vir a tona.

São sim mal governantes, mal gestores e até mais, são muito corruptos. Se a afirmação de que todos os partidos eram iguais, que todos eram corruptos, era uma verdade, o governo PT conseguiu estabelecer um patamar muito mais elevado.

Por fim, sou veementemente contra a Dilma re-eleita (ou o PT ser eleito) em 2014.

Não, não pensem que sou gado, que estou seguindo a tal "imprensa golpista", tudo o que digo aqui é baseado em muito exercício, muita observação, pesquisas, debates e etc. Essa teoria de imprensa golbista é balela, outra inverdade de quemcrítica a imprensa para a desacreditar e esconde as suas verdades e tentar contar as mentiras que inventam.

Eu penso que tenho ainda mais liberdade para afirmar isso pois em 2002 eu considerei que 8 anos de governo para o PSDB era tempo demais para que o partido se acostumasse, se tornasse moroso e até mesmo tempo o suficiente para que ele tirasse proveito da situação, portanto em 2002 eu votei no Lula, para que tivessemos um governo com idéias diferentes e foco em outros temas que não os mesmos do governo anterior, para que fosse novo, pois a liderança tem que ser incomoda e não habitual. Seguindo a mesma tendência, fui contra a sua reeleição e a eleição de Dilma, e agora mais do que nunca, sou contra um novo governo do PT. Gostaria de mudanças no governo do estado, mas por todo o resultado ruim que PT e PMDB apresentou em Brasília e pelo resultado de sua gestão no ministério da saúde, sou contra o governo do Padilha (PT). Simpatizo muito com o trabalho do Skaf (PMDB), mas não aceito o seu partido.

por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…