Pular para o conteúdo principal

O motorista e o monstro.

A capa da Veja de hoje compôs a imagem um revolver usando imagens de carros e essa é a analogia mais exata.

O carro é como um míssil de impacto. Ele não explode, mas lança sobre você meia tonelada de material perfuro-cortante, recheada de combustível que pode transformar uma pessoa em uma massa de carne e ossos.

Tenso demais né? Mais é verdade, dependendo de quem está ao volante.

Normalmente o carro é apenas um veículo, que facilita a locomoção sua e de sua família ao mercado, a uma praça ou parque, a uma festa ou a visita aos seus avós de forma confortável e prática.

O problema é que alguns imbecis enxergam o carro como uma compensação ao pênis (psicologicamente falando). Um exosqueleto que lhe confere potêncial, velocidade, poder e - aos olhos do imbecil - o torna atraente.

É aí que está o problema. Esse rapaz com problemas psicológicos consegue facilmente uma carta de motorista, através de "n" formas e então saí pela rua se exibindo garboso e poderoso, competindo com outros condutores e pelo caminho pode encontrar público ou até um oponente e aí o veículo, que se move livremente e não em trilhos, fica completamente a mercê da imbecilidade humana e pode se projetar sobre outro veículo ou pessoas e BUM! Não sobre muito para contar história.

Facebook: 7 de janeiro de 2012 às 11:21 ·

"Bala de revólver = 5g X 500km/h = 2.500 (Momentum)
Carro = 500.000g X 120km/h = 60.000.000 (Momentum)

Por quê mesmo com a campanha do desarmamento ainda tem tanto imbecil dirigindo um carro?"
Assim como muitos problemas em nossa sociedade atual, o problema se sustenta sobre os mesmos pilares:
1) Corrupção pelam venda de carta de motorista;
2) Impunidade;
3) Má gestão dos orgãos envolvidos;
4) Você que compra carta, que dirige de forma imprudente; que bebe e depois dirige.



 por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…