Pular para o conteúdo principal

A solução da saúde não é "a" OU "b", mas sim "a" E "b".

Vejo muitas pessoas definindo a situação atual da Saúde no Brasil e considerando uma solução em demérito da outra, como se fosse excludentes e colocando a proposta como dois times:

a) Os que acreditam que faltam médicos e;
b) os outros que acreditam que o que falta é infraestrutura, seguindo assim por um debate polarizado em A ou B.

Dizem que quem menos sabe do mar é o peixe e nesse caso eu teria uma ângulo melhor para analisar o caso, mas não sinto assim. Não sou do setor de saúde, dificilmente utilizo uma entidade de saúde pública e por isso tudo o que sei é o que ouço ou vejo por outros.

Listei alguns pontos que acho importante olharmos para termos mais visão do cenário completo:

Acredito que não há dúvida de que falta estrutura para a Saúde. Muitos dizem que isso ocorre por o Brasil ser um país continental e com cidades em locais tão remotos. Isso é correto. Mas também faltam recursos em hospitais em cidades grandes e regiões próximas.

A falta de recursos tem sido a justificativa para que os médicos não se interessem em atuar nessas regiões, mas a verdade é que sempre haverá a necessidade de médicos nas cidades grandes e por isso pouquíssimos médicos quererão trabalhar em regiões remotas da Amazônia, por exemplo.


Acho interessante o médico militar poder acumular 2 funções e atuar como médico, como estão levantando no governo;

Acho interessante o aluno de medicina de uma faculdade federal fazer residência em algum hospital público, como já foi cogitado a muito tempo atrás;

Acho interessante ouvirmos a informação de que o curso de medicina ser tão concorrido por que em 10 anos foi criado um número pequeno de novas vagas.

Acho interessante recapitularmos que a alguns anos atrás (2006) tinhamos algo chamado a máfia dos "sangue sugas" que envolveu até o Ministro da Saúde (Sanguessugas);

Acho interessante nos lembrarmos do caso do SAMU de Ferraz de Vasconcelos onde médicos adulteravam o ponto (Samu Ferraz);

Acho interessante fazermos uma pesquisa no Google por notícias anteriores onde todo mundo dizia: "Faltam médicos!" (http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2013/07/conselho-de-medicina-vai-investigar-falta-de-medico-no-ps-de-barra-bonita.html) ou daquele neurocirurgião plantonista que "faltou" na véspera de Natal quando a Adrielly morreu (médico falta);

Acho interessante a opinião do Mário Sérgio Cortella, em entrevista a CBN, que disse que um médico estrangeiro pode levar um problema de comunicação médico-paciente, para onde hoje não existe uma relação médico-paciente (Cortella);

E, para finalizar, sugiro que conheçam o trabalho de André François (A Curva e o Caminho).

E coloco a minha conclusão:

Faltam os dois. Faltam Médicos para trabalhar em alguns lugares e recursos (muitos recursos) para os médicos que estão em outros lugares.

por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…