Pular para o conteúdo principal

Sobre "O Grande Imitador" - Veja 01/11/2010

A Veja dessa semana trouxe uma matéria bastante criticada pela seu oportunismo, parcialidade e superficialidade. A matéria "O grande Imitador" relaciona a cópia de atitudes como uma homenagem ao original, o que sim, tem significado e exemplifica colocado o Lula como um dublê de Fidel Castro, dando 90% da matéria propositalmente somente nesse exemplo, os outros 10% ficam para "O Grande Ditador" de Charles Chapplin, onde ele copia Hittler. Acredito que não despropositalmente o segundo exemplo é Hittler e o título copia o nome do filme de Chapplin. Citar somente Lula e relacioná-lo com "o Grande Ditador" de Chapplin é a ruina, a mácula dessa matéria, que tem no fundo um assunto muito interessante a ser tratado, mas precisa de imparcialidade.

Aceito que a matéria de Veja tem a clara intenção de dizer que Lula copia Fidel e que o faz no momento mais oportuno. Porém, não se pode ignorar o núcleo da matéria que é sim a cópia da linguagem corporal que é feita diariamente por muitas e muitas pessoas, como também é feita por Serra, Collor, Obama como mostrado na crítica (também parcial e oportunamente superficial) no blog de Vanessa Lampert.

Existe uma coisa atrás de tudo isso que é o setor de comunicação, quem estuda (não é meu caso) propaganda, comunicação, fotografia e até política sabe muito bem do poder que isso tem. Da importância do gesto do dedo em riste a outro líder, da taça (ou da imagem) levantada no caso de Serra. Na inversão dos papeis de Lula, Fidel, Obama (que pode sim ter copiado Lula) e outros.

Na opinião de vocês, uma cena como a descrita a seguir, confere ou não poder?

"(...) aparece nas fotos oficiais falando com a maior tranquilidade a interlocutores russos, alemães, árabes, israelenses, africanos, como se dominasse o idioma deles. Fidel Castro fez desse um jogo de cena clássico de seu arsenal, pois, mesmo dependendo vitalmente das doações anuais bilionárias dos soviéticos para sua ilha não soçobrar, aparecia nas fotos como se ensinasse alguma coisa aos velhinhos do Kremlin"

Pergunto aos comunicadores: apesar do oportunismo inoportuno, da parcialidade e da falta de profundidade, a matéria (e a sua crítica agregando imagens de outros líderes) tem ou não uma ponta de razão?

Ontem mesmo estava assistindo ao canal Management TV uma máteria onde as empresas criam recursos sensitivos - como um supermercado que reproduz som de gaivotas na peixaria, ou um hotel que propaga odor de neve, montanha, folhas e dinheiro em seu ar condicionado - para passar impressões aos seus clientes.

Tudo isso tem a ver com imagem.

por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…