Pular para o conteúdo principal

Meu legado.

Isso é um pouco antigo ... uns 7 anos, mas coincidentemente, falei sobre isso hoje e encontrei por acidente.

[29.9.03 11:50 PM | CONRADO TRAMONINI]
Salve tripulantes do Big Brother ... galera se a letra P do meu teclado que está falhando não me estressar eu se meu teclado durar até o final, pretendo colocar aqui um post muito importante para mim.

Bom ... a fragilidade de nossa vida, a maneira simples e bela com que ela se conduz e a facilidade que uma fatalidade pode encerrá-la bruscamente me fez pensar nas palavras que aqui vou postar. Isso não é de agora ... é antigo, algo que eu queria passar para cada ser humano como uma lição de minha vida ... provavelmente não encontrarei as palavras adequadas para expressar tudo.

A vida, esse pequeno presente de Deus é para ser aproveitada, nos seus mínimos detalhes, e a cada milésimo de segundo. A cada respiração ou piscada de olhos e é assim que venho fazendo. Minha vida é corrida, é um pouco desgastante, mas é bela. Agradeço a Deus por isso.

Todo dia eu pego o trem, relativamente cedo e nele tenho a oportunidade de apreciar a "paisagem" pela qual o trem passa. Olho as várias casas, as diversas favelas e imagino o que passa na vida de cada um que vive ali. Se aquelas pessoas são felizes ou não, o que pensam e o que sentem. No trem é fácil ver alguém triste ou alguém alegre e me pergunto, o que estaria pensando na cabeça de cada um e o que poderia fazer para alegrar mais aquela pessoa.

Uma coisa que me impressiona muito é ver o Sol ... pode paracer besteira, mas não é. Vejo como ele brilha, seja em céu limpo ou entre as nuvens. Procuro por Deus, sabendo que não o encontrarei ali, mas sim dentro de mim.

Sabendo disso, a cada minuto acho um novo motivo para sorrir.

Quando olho a paisagem, quando estou na companhia de meus amigos, seja apenas vivendo.

Espero que todos vocês tenham essa felicidade e que não pensassem na felicidade "material" a qual a mídia nos incita.

As vezes somos tolos e achamos que a felicidade só vem com bens materiais, um carro novo, uma casa, uma roupa, um relógio, um celular e hoje esquecemos que muito antes não tinhamos nada disso ... seremos felizes quando reparamos na beleza natural das pessoas e do mundo.

Frank Sinatra dizia que seu legado era a música e a alegria que passava para as pessoas, que derepente ele olharia para o céu e perguntaria: vc sabe que tom de azul é aquele ?

O legado que quero deixar é o da felicidade, não porque é o mesmo de Frank, mas porque é aonde encontro a minha felicidade ... não sou músico. Sou feliz.

E é isso que quero que todos sejam ... esqueçam o "material" ... esqueçam os problemas ... a vida é curta para você guardar rancor, para que você tenha um inimigo, para não gostar de alguém ou ficar sentindo inveja. Não deixe seus sonhos de lado, realize-os mesmo que em pequena escala.

Não se lamente e não sonhe demais, mas voe na sua imaginação, passa uma tarde deitado em um gramado, escute uma boa música, mas acima de tudo ... sorria e veja a beleza do mundo ... ela está em todo lugar, mas você precisa querer encontrá-la, senão só verá tristeza e feiura.

Como disse ... a mensagem fica confusa, é difícil passar um sentimento para as palavras, mas tenho certeza de que vocês entenderam o recado.

Sou feliz, muito feliz e sou grato a cada um de vocês meus amigos e minha família por me ajudarem a ser feliz. Deixo aqui meu legado de paz, amor e felicidade a vocês e espero que vocês possam sentir isso meus amigos. Quem quiser, me siga ... e seja feliz.

Sinceramente,

Conrado.
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…

Dia da Consciência Negra e o banco Imobiliário da vida real.

No final desse domingo chuvoso, uma atitude do meu pai - um filho de italiano e mameluco, um tanto cabeça-dura a modismos e assuntos rasos e outro tanto extremamente inteligente e humano a assuntos mais complexos - gerou uma excelente reflexão sobre o real problema relacionado a etnia / distribuição de recursos (não vou falar renda pois não se trata de comprar ou não um iPhone).

O texto dele dizia:

É domingo. 22.16 horas. Está frio e garoa. Pela câmera da rua vejo uma pessoa empurrando um carrinho cheio de papelão. Lembro das antenas de alumínio de VHF que troquei pelas digitais. Penso, quem quer que esteja trabalhando domingo a essa hora sob garoa procurando latinhas de alumínio merece ajuda.  Abro o portão, a rua está deserta, grito para a pessoa: Hei, quer alumínio? Ele sob a rua e para em frente ao meu portão. É jovem e negro. Vou até o fundo do quintal e pego as antenas. Elas não passarão pelo vão do portão. Muitos teriam receio mas vou até a sala e abro o portão automático. Entr…