Pular para o conteúdo principal

Consciência negra (aqui, sobre os dois sentidos)

Sobre a morte de Celso Pitta, alguns políticos deram a entender que ele foi injustiçado por ser negro. Duas matérias do Estadão citam isso. Em uma delas, o próprio Agnaldo Timóteo, que durante a casa dos artistas disse que não existia racismo no Brasil, ilustrando com a frase "Onde entra um branco de terno, entre um negro de terno", disse que os negros deveriam ter lutado pelo Pitta, que morreu no dia da consciência negra.

Os negros devem lutar por justiça. Os brancos também. Aliás, a sociedade como um todo - sem discriminar se brancos ou negros - devem fazer isso.

O Brasil tem um sério problema. Na busca por heróis, ele primeiro cria seus monstros. O racismo no Brasil não age nas vertentes onde se quer combatê-los. Se querem saber, eu sou um afro-descendente e tenho minha derme tão branca que chega a ser rosada. Por isso, quando ando na rua, me vejo como membro da minoria dos realmente-brancos. No Brasil, o moreno é considerado branco.

Existem muitos líderes negros, que até o momento seguem suas vidas sem se dizer não quistos pela socidade. Veja aqui uma lista deles:

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20081028060943AAHjgK0

Sobre o Pitta, ele não foi indesejado por ser negro. Os pessoas o elegeram quando ele já era negro. Ele foi indesejado pelas atitudes que acreditamos que ele seja culpado.

Estadão:

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,celso-pitta-foi-discriminado-por-ser-negro-diz-lider-do-ptb,470002,0.htm

http://www.estadao.com.br/noticias/nacional,sob-forte-chuva-e-palmas--celso-pitta-e-enterrado-em-sp,470049,0.htm

Abaixo os comentários colhidos nas notícias do Estadão:

*
Conrado Tramontini
Conrado Tramontini em 23/11/09 ás 00:53
Na outra matéria lê-sê: "O deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) afirmou que "o tempo vai demonstrar que o Pitta foi muito injustiçado". Segundo ele, a sociedade paulista não aceitou que um negro assumisse a Prefeitura de São Paulo"

Eu pergunto, como a sociedade Paulista não aceitou um negro na prefeitura, se essa sociedade confiou, votou e o elegeu pela maioria? As pessoas precisam parar de criar racismo onde não existe. O problema do Pitta não era sua derme, mas a sua idoniedade.
*
Paulo Mombach
Paulo Mombach em 21/11/09 ás 19:22
Só lamento de ele nãor ter levado consigo o Maluf e toda corja de políticos corruptos do Brasil. Que descanse em paz, se conseguir...
*
Jose Roberto Vilas Boas
Jose Roberto Vilas Boas em 21/11/09 ás 17:47
Seu Antonio Luiz Rodrigues. O senhor quer é aparecer.O sr, é um cara de pau como 90% dos politicos deste país.Todos nós sentimos qdo uma pessoa morre.Porque se não pagou pelos seus erros aqui na terra,vai ter de pagar em outro lugar.Como pessoa nada contra ninguém, mas como políco, ele o sr e, O Paulo Maluf,o Lula e toda esta corja que vive as custas deste nosso povo. e deste país.Vcs todos são uns caras de pau.
*
Flaviana Serafim
Flaviana Serafim em 21/11/09 ás 16:57
É um absurdo declarar que Pitta foi discrminado por ser negro. É uma falta de desrespeito aos negros que lutam por justiça e igualdade. Ladrão é ladrão, corrupto e corrupto, porque o mal e a sacanagem são multicoloridas.
*
Jose Santos
Jose Santos em 21/11/09 ás 16:42
Seu Antonio Luiz Rodrigues cara-de-pau!!! O Celso Pitta foi discriminado por ser ladrão. A cor do bandido tanto faz, ele continua bandido.Não é porque morreu que ficou bonzinho. Se existir inferno, o diabo está ferrado, porque ele vai roubar lá também. Era um egoísta como vários políticos brasileiros são. Usam dos cargos públicos para se locupletarem. E pelo jeito o Sr é da mesma laia e ainda mente fazendo chantagem emocional com o povo crédulo que é esse povo brasileiro.
*
Tulio Amaro
Tulio Amaro em 21/11/09 ás 16:25
Pitta foi não foi discriminado por ter estudado na Inglaterra, mas por ter sido lambe-botas de Maluf.

por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Apreciando um bom café.

Sou um grande apreciador de café, por muitos motivos, o sabor sem dúvida é um deles, mas existem outros motivos - alguns bem óbvios - e eu gostaria de examiná-los aqui.

O mais involuntário de todos é que nasci na cidade de Garça, grande produtora de café da melhor qualidade. Claro que esse "vínculo" não se manifestou de imediato no momento do parto, não havia uma mamadeira com cafezinho fresquinho passado na hora.

Se bem que, se pensarmos, pode ter sido transmitido pelo leite materno e aí vem o segundo motivo: Minha mãe é uma grande admiradora de um café com leite, sempre presente no café da manhã e no da tarde. É um hábito quase que religioso.

Nasci em Garça, mas minha família se mudou de lá quando eu tinha 1 ano e sempre viajamos para lá para visitar meus avós e tios e nessas visitas um assunto sempre era presente: O café.

Meu avô materno tinha uma oficina e uma loja de ferragens, a "Instaladora Nosso Lar", cujo clientes em sua maioria eram fazendeiros principal…

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…