Pular para o conteúdo principal

Rescue me.

Rescue me.  

Rescue me.
 (Conrado Tramontini)

Nos detalhes da manhã daquele sábado de aleluia, um azul perfeito dominava todo o céu sem nuvens, enquanto um vento gelado varria a planíce cortada pela rodovia. Era um céu de Brigadeiro, como é chamado pelos aviadores. Ótimo para voar.

O helicóptero pousou ali mesmo, no heliponto improvisado. As pás cortando o ar refletiam, com flashs, o Sol ainda em ascenção. Olhei para trás, ali estava meu carro, parado em um canto da Rodovia. Dois homens vinham da direção dele, enquanto um terceiro, vindo do helicóptero, veio nos buscar. Perguntou como eu estava. "Nada bem!" respondeu alguém ao meu lado. Lembro que eu estava indo para o trabalho. Apressado e atrasado.

Senti o frio daquela manhã cada vez mais forte. Realmente não estava nada bem. Uma aguda dor no corpo e vertigens. Já não sabia se quem rodava era eu ou as pás do helicóptero, enquanto entrei nele. Olhei outra vez para meu carro, destruído pelo impacto com o outro carro. Um bombeiro prestava os socorros ao outro motorista, enquanto caminhavam para a ambulância.

O mal-estar estava terrível. Sentia a cabeça pulsando a cada batida do coração, em um ritmo decrescente. Minhas pernas formigavam de forma absurda. O paramédico ajeitou o cobertor de alumínio para me aquecer. Eu desmaiei e outra vez, acordei com o zunido do desfribilador. Senti o cheiro de hospital vindo pela máscara de oxigênio e ouvia o rugido do Águia decolando em direção ao Clínicas.

Olhei outra vez em volta, vendo o rosto daqueles homens, que lutavam, para que outro homem resucitasse em um Domingo de Páscoa.


----------------------------------------------------------------

No final de semana da Páscoa de 2009, um acidente parou a Rodovia Ayrton Senna, pouco tempo antes de eu passar por ali. A imagem dos bombeiros correndo para prestar socorro, o Águia descendo na Rodovia, as pessoas recebendo o socorro ainda na pista, o cobertor de alumínio, os carros retorcidos e depois o Águia sobrevoando a Barra Funda, onde eu estava, enquanto voltava do Hospital das Clínicas ficaram gravadas em minha memória. Com isso, ficou a vontade prestar uma homenagem a esses homens, que diariamente, partem para salver outras vidas, muitas vezes entregando a sua própria vida a isso.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…