Pular para o conteúdo principal

Quinze minutos...

Tem dois assuntos sobre os quais, já tem algumas semanas, eu queria escrever.
O primeiro era criar o conto (se é que se pode chamar assim) para essa foto, que segue abaixo. Enquanto escrevia deixei ele tomar um rumo trágico, ao contrário do que eu queria, mas acho que foi o meu eu lírico ...
O segundo virá nos próximos dias ...
Quinze minutos
(Conrado Tramontini)
Quinze minutos, quinze míseros minutos foi o tempo que ela cochilou ao meu lado, me observando da cama, enquanto eu trabalhava. Nesse momento, ela transformou a necessidade humana de dormir e descansar em um martírio. Agora, a tua ausência em minha cama foi marcado por um vazio absurdo capaz de engolir toda a calma e o silêncio que preenchem meu quarto escuro, e desde então, não tem vinho que me permita encostar e dormir o sono dos justos.
Cada vez que fecho os olhos, encostado nessa maldita cama, que ainda guarda o seu perfume doce, faço um mergulho em um poço onde no fundo vê-se a imagem angelical daqueles olhos cerrados e a bochecha apertada contra o travesseiro e onde ainda ecoa a sua respiração suave, como se fosse essa respiração que trouxesse o oxigênio, e que sem ela, tudo sufoca. Dia-a-dia reviro a agonia da insônia em minha cama. Dia-a-dia, cada vez mais, esses quinze minutos se tornam minha prisão.
Meus olhos estão pesados e o pensamento distantes, nada mais consegue trazer de volta a sanidade do descanso. Vago em pé, olhando pela janela onde todas as luzes estão apagadas escuto ao longe a sua respiração torturando minha alma, se misturando a minha, fazendo a cidade encolher e expandir cada vez que ela inspira ou expira, fazendo minhas temporas pulsarem no mesmo ritmo, naqueles quinze minutos que o veneno levou, para curar esse martírio e permitir que eu durma novamente ...
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…

Dia da Consciência Negra e o banco Imobiliário da vida real.

No final desse domingo chuvoso, uma atitude do meu pai - um filho de italiano e mameluco, um tanto cabeça-dura a modismos e assuntos rasos e outro tanto extremamente inteligente e humano a assuntos mais complexos - gerou uma excelente reflexão sobre o real problema relacionado a etnia / distribuição de recursos (não vou falar renda pois não se trata de comprar ou não um iPhone).

O texto dele dizia:

É domingo. 22.16 horas. Está frio e garoa. Pela câmera da rua vejo uma pessoa empurrando um carrinho cheio de papelão. Lembro das antenas de alumínio de VHF que troquei pelas digitais. Penso, quem quer que esteja trabalhando domingo a essa hora sob garoa procurando latinhas de alumínio merece ajuda.  Abro o portão, a rua está deserta, grito para a pessoa: Hei, quer alumínio? Ele sob a rua e para em frente ao meu portão. É jovem e negro. Vou até o fundo do quintal e pego as antenas. Elas não passarão pelo vão do portão. Muitos teriam receio mas vou até a sala e abro o portão automático. Entr…