Pular para o conteúdo principal

A corrupção nossa de todo dia. Por que ela é pior que um homicídio

Texto publicado aqui em 02/04/09

Na semana passada eu preparei o texto a seguir sobre uma matéria da Veja:

A revista supracitada (até onde sei não existe mais hífens) trouxe uma matéria sobre a condenação da dona da Daslu (Eliana Tranchesi) por desvio fiscal. Em um bilhete a imprensa, Eliana diz não entender o por quê de estar presa, justificando "não represento mal a sociedade".

Esse pensamento não poderia ser mais equivocado, afinal, sonegação ou desvio fiscal, realmente não inflinge, diretamente, dano físico a uma pessoa, mas priva um grupo maior - até uma sociedade - de receber o quinhão que lhe é devido.

Prova dos nove: a quantia sonegada pela dona da Daslu poderia construir quantos postos de saúde e hospitais? não tenho o número, mas digamos que é um número A de pessoas. Quantas pessoas um hospital pode atender? Digamos que seja B. Logo, o dinheiro não pago pela Daslu, prejudicou um número X de pessoas

A conta ficaria X = A*B

Quantas pessoas morrem no Brasil por falta de hospital?


A edição dessa semana trouxe as respostas:

Eliana deve 640 milhões de reais, com esse valor é possível:

atender 176.000 alunos em escolas;
anteder 1,2 milhões de pessoas em postos de saúde;
patar o salário anual de 25.600 policiais
ou pagar o bolsa família de 640.000 famílias durante um ano.

Imagina com o dinheiro que o governo desvia ...

A propósito: Al capone deveu 15 milhões.

por: Conrado Tramontini
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Apreciando um bom café.

Sou um grande apreciador de café, por muitos motivos, o sabor sem dúvida é um deles, mas existem outros motivos - alguns bem óbvios - e eu gostaria de examiná-los aqui.

O mais involuntário de todos é que nasci na cidade de Garça, grande produtora de café da melhor qualidade. Claro que esse "vínculo" não se manifestou de imediato no momento do parto, não havia uma mamadeira com cafezinho fresquinho passado na hora.

Se bem que, se pensarmos, pode ter sido transmitido pelo leite materno e aí vem o segundo motivo: Minha mãe é uma grande admiradora de um café com leite, sempre presente no café da manhã e no da tarde. É um hábito quase que religioso.

Nasci em Garça, mas minha família se mudou de lá quando eu tinha 1 ano e sempre viajamos para lá para visitar meus avós e tios e nessas visitas um assunto sempre era presente: O café.

Meu avô materno tinha uma oficina e uma loja de ferragens, a "Instaladora Nosso Lar", cujo clientes em sua maioria eram fazendeiros principal…

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…