Pular para o conteúdo principal

O celular já era, Jaelson...

A história, conforme consta nos autos, é a seguinte:

Por volta das 11h30m, eu estava junto ao meio fio atendendo uma ligação no celular enquanto aguardava o ônibus no ponto localizado em frente ao prédio da Gazeta. Enquanto eu olhava em direção aos veículos que vinham sentido centro, um rapaz usou uma técnica que vem sendo comumente empregada na paulista, vindo de bicicleta na direção oposta e subtraiu o aparelho, seguindo pela calçada e rapidamente saindo de minha visão, antes que alguém pudesse tomar qualquer ação.
Uma pessoa que estava comigo o descreveu como trajando camiseta e calças, pele parda e com sombrancelhas proeminentes. Posteriormente liguei para o celular e um rapaz alegadamente chamado Jaelson atendeu ao telefone, mas cortou a ligação quando percebeu que estava falando com o dono do aparelho.


Sobre o Jaleson, essa figura agradável e simpática, porém muito apressada - nunca tem tempo pra uma conversa - ele é um rapaz inseguro e modesto, na referida ligação em momento nenhum ele admitiu que tinha ganho o celular de presente - ou, como se diz por aqui, roubado. Enquanto eu conversava com o pobre Jaelson, pensei se seria ele mais uma vítima da desigualdade social e do sistem a quem eu devo depositar toda minha compreensão e pena?, não sei, mas momentos antes um gari que trabalha para a prefeitura reclamou no mesmo teor sobre um bêbado que dormia no banco do ponto de ônibus enquanto o Gari varria a rua dignamente, Jaelson dizia ter comprado o aparelho e vacilava entre uma resposta e outra:

(diálogo ocorrido entre 24h10m e 24h30m)

-Posso falar com o Márcio?
-Não tem nenhum Márcio - disse o Jaelson
-Como não, esse celular é dele
-Não, esse celular é meu, eu comprei o celular
-Qual o número aí? - eu inquiri incerto sobre o número do Márcio
-Não sei - respondeu Jaelson, que ainda não tinha decorado o número do novo chip
-Esse não é um V3 prata?
-É preto!
-Preto porra nenhum ... vc não sabe nem a cor do seu celular seu babaca - disse eu, por incrível que pareça, em um tom calmo.
-Ah, o celular ... que cor que é?
-Prata! você nem conhece cor cara.
-Amigo, eu comprei esse celular - disse Jaelson ao viva voz enquanto o Medella rapidamente me lembrou do Awey
-não sou teu amigo - me soprou Medella
-Amigo o caralho, que eu não sou teu amigo!
E o Jaelson desligou dizendo que não queria falar comigo.

Depois dessa conversa, fiquei até com dó de bloquear o aparelho. Ele tinha levado meu V3, mas trouxe momentos de alegria.

O Medella ainda percebeu a tempo de tentar evitar, mas o Jaelson teve muitas variáveis ao lado dele nobre amigo. Mas agora já temos mais uma coisa para fazer, procurar Jaelsons por aí.

Depois eu descobri que o Jaelson na verdade, nada tem a ver com a história...

por: Conrado Tramontini
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…