Pular para o conteúdo principal

T.I.A.

Nesse momento estou sentado em uma cadeira que tenta ser confortável, em frente a um computador. Ao meu lado minha cama espera a conclusão do texto, com um novo endredon de malha, comprado ontem por minha mãe, dentro de um apartamento, na badalada região de Perdizes, Vila Madalena e Pinheiros, não tenho certeza se é zona Oeste, mas é em São Paulo, a cidade mais rica do Brasil - classificado como terceiro mundo, mas que para mim, instalado aqui em casa, homem da classe média, é tudo muito diferente.

A realidade é que enquanto estou aqui escrevendo, não preciso ir muito longe, em uma favela aqui em SP ou no Rio ocorre um assassinato, um estouro de violência, no norte do país ou qualquer outro lugar do mundo alguém ainda trabalha como escravo ou alguma criança está sendo obrigada a se engajar numa luta armada que ela nem sabe o motivo, algum direito humano está sendo negligenciado, tudo isso numa disputa por poder ou dinheiro, enquanto eu escrevi essas palavras sobre uma unidade, por necessidade pessoal, desejo, ambição, sonho ... ou talvez por raiva, vergonha e desencanto.

Entenda que isso vai ocorrer as centenas ou milhares durante essa semana que vai começar. Pessoas vão sofrer, morrer ou pior, continuar vivas, na mão da ganância.

Entenda que enquanto você lê isso grupos armados estão em guerra com pessoas comuns.

A sensação do momento, o filme Tropa de Elite, mostrava um diálogo onde um policial pergunta, a um estudante, quem matou um traficante, e depois explica que foi o dinheiro que ele pagou por um baseado que matou aquele cara e que alimentou o tráfico.

O filme Diamante de Sangue, mostra que milhares de pessoas (adultos e criançãs) são vítimas de grupos rebeldes para traficar diamantes que são vendidos em exuberantes joalherias pelo mundo. A comparação feita entre dois filmes, mas que já é lugar comum em todo o canto - para quem se dá ao trabalho de prestar atenção, claro - foi feita para dizer que tudo o que pode ser vendido, pode ser, e muitas vezes é, conseguido violando os direitos das pessoas e que todos nós apenas ignoramos, desprezamos ou fazemos como o personagem do filme, Danny Archer, que quer lucrar, sem se importar que o país está todo dia em conflito, que milhares morrem por causa dos diamantes que ele trafica. O seu consolo fica na expressão T.I.A., ou This is Africa (Essa é a Africa).

Solomon, o negro que luta para achar o filho e retirá-lo do grupo rebelde diz, eu entendo vocês brancos fazerem isso, mas não entendo meu próprio povo lutar contra nós mesmos. Se esquecermos as etnias, a frase faz mais sentido.

Marfin, ouro, petróleo e diamante ...

A minha raiva fica por assistir a isso passivamente e por saber que isso ainda existe. Por querer ajudar e não ajudar. Querer ser mais do que alguém que trabalha honestamente para fazer dinheiro e ficar no conforto de casa. Mas para mim não é só "This is" qualquer coisa ... o mínimo que posso e que vou fazer é escrever aqui, onde poucos amigos lêem, mas sem dúvida, onde eu sou quem eu sou.

Ainda não sei se aqui é Zona Oeste de São Paulo - é quase certeza que é, mas nunca confirmei - isso reflete a minha desatenção por essa tipo de informação, ou a minha vontade de estar por todo o mundo e eu vou estar.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Apreciando um bom café.

Sou um grande apreciador de café, por muitos motivos, o sabor sem dúvida é um deles, mas existem outros motivos - alguns bem óbvios - e eu gostaria de examiná-los aqui.

O mais involuntário de todos é que nasci na cidade de Garça, grande produtora de café da melhor qualidade. Claro que esse "vínculo" não se manifestou de imediato no momento do parto, não havia uma mamadeira com cafezinho fresquinho passado na hora.

Se bem que, se pensarmos, pode ter sido transmitido pelo leite materno e aí vem o segundo motivo: Minha mãe é uma grande admiradora de um café com leite, sempre presente no café da manhã e no da tarde. É um hábito quase que religioso.

Nasci em Garça, mas minha família se mudou de lá quando eu tinha 1 ano e sempre viajamos para lá para visitar meus avós e tios e nessas visitas um assunto sempre era presente: O café.

Meu avô materno tinha uma oficina e uma loja de ferragens, a "Instaladora Nosso Lar", cujo clientes em sua maioria eram fazendeiros principal…

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…