Pular para o conteúdo principal

Um domingo qualquer...

Assisti, mais uma vez, ao excelente filme "Um Domingo Qualquer" (Any Given Sunday),
estrelado por Al Pacino, Jamie Foxx, Cameron Diaz e dirigido por Oliver Stone.

O filme gira em torno da jornada do time de futebol americano Miami Sharks no campeonato mais importante desse esporta. O Sharks está sendo assumido pela filha do antigo dono - que não entende nada do jogo, mas entende de dinheiro -, tem um técnico considerado antiquado, um capitão contundido e um novato que só quer saber de ser estrela. O forte são os problemas humanos envolvidos.

Mais do que futebol americano o filme fala sobre as pessoas, sobre decisões, vencer ou perder - a frase de onde veio o título é:

Em um domingo qualquer você pode vencer, ou perder, mas você saberá vencer, ou perder, como um homem?
A ação de O Resgate do Soldado Ryan está no desembarque, dizem que Falcão Negro em Perigo pegou essa ação e estendeu para o filme todo, em Um domingo qualquer essa ação fica nas palvras. No último jogo, o treinadoir Tony D´almato reune o time, tira a estrela para colocar o capitão e faz um discurso fenomenal, que demonstra todo o poder contido nos diálogos do filme (mais...).


Eu não sei o que dizer, sério. Três minutos para a maior batalha da nossa vida profissional.
Tudo depende de hoje.
Ou nos curamos como equipe ou vamos nos desintegrar.
Estamos no inferno agora, cavalheiros. Acreditem em mim.
E podemos ficar aqui, e levar merda na cara, ou podemos lutar, e voltar à luz.
Podemos sair do inferno, mas eu não posso fazer isso por vocês.
Nos dois jogos, na vida ou no futebol,
A margem de erro é tão pequena,
Meio passo antes, ou depois, e você não consegue.
Meio segundo antes, ou depois, e você não agarra.
As polegadas de que precisamos estão ao nosso redor.
Estão em cada brecha do jogo, em cada minuto, em cada segundo.
Neste time, nós lutamos por esta polegada.
Neste time, nós nos dilaceramos, e a todos ao nosso redor, por essa polegada.
Nós agarramos com as unhas esta polegada.
Porque sabemos que, quando juntarmos todas as polegadas,
Isso fará toda a diferença entre vencer ou perder!
Entre viver ou morrer!
Eu garanto: em qualquer luta,
É o cara que está disposto a morrer quem as ganha.
E sei que, se eu ainda tiver alguma vida,
É porque ainda estou disposto a lutar e morrer por aquela polegada.
Porque isso é que é viver!
Não posso obrigá-los a nada.
Olhem para o cara ao seu lado, olhem nos olhos dele!
Você verá um cara que lutará por essas polegadas com você!
Você verá um cara que vai se sacrificar pelo seu time.
Porque ele sabe que, quando chegar a hora, você fará o mesmo por ele!
Isso é uma equipe, cavalheiros.
Ou nos curamos, agora, como uma equipe,
Ou morreremos como indivíduos.
Agora, o que vocês vão fazer?”


2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…