Pular para o conteúdo principal

Chimpanzés

Existe uma frase que diz, em tradução livre, que a cura para o amor é o amor retribuído. Talvez eu possa inverter a frase e afirmar que a ausência de amor retribuído é a causa para a doença do amor e por amor retribuído não se entende amor vindo no outro sentido – ser amado por alguém – mas a aceitação por alguém do amor que você sente por, a autorização e retribuição desse amor, não necessariamente com outro amor.

Me permitam-me uma digressão. No filme Waking life um dos personagens traça um comparativo entre a produção intelectual da Grécia e Roma antiga com a sociedade atual, e conclui que desde então pouco evoluímos. O que, segundo ele - com quem concordo - nos coloque no mesmo nível que super chimpanzés, fechando com a indagação sobre o que nos mantém nesse nível nulo de evolução pessoal: medo ou preguiça?

Uma base para uma resposta, se é possível formula-la, está no texto “Um sóbrio em Salvador”, onde o autor narra sobre sua passagem pelo carnaval em salvador e observa uma estranha necessidade, comum a massa, de obter prazer em tudo o que faz. O autor, estando naquela festa, se sente compelido a beijar e beber "tem que beijar", "tem que beber" excitam os super chimpanzés - agora também hedonistas - movidos pelo característico prazer instintivo e longe do prazer racional, que é negado a o autor, que questiona: "como é que pode ser bom, se para ser bom, tem que beber?" e que, como foi narrado por André Medella em " Carnaval – e ô... e ô", é encontrado longe da superficialidade da festa de carnaval, em simples atividades e observações do cotidiano que hoje muitos se negam a fazer – por medo ou por preguiça – e se afundam na entrega hedonista onde “todos são levados a ‘aproveitar a vida’ como se a morte espreitasse a todos na quarta-feira de cinzas”.

Com isso retorno ao amor e sua retribuição, que é negada, muitas vezes involuntariamente, porque chimpanzés que somos, estamos todos afundados em nossos hedonismo egoísta, em nossa tão constante e absoluta busca da felicidade imediata, vinculada ao prazer, acreditando que ela é algo somente nosso e que esteja presente na superficialidade da vida. Ficamos feito cães correndo atrás do próprio rabo e então involuntariamente - por vezes até voluntariamente -, abandonamos o exercício da reflexão, do pensamento e compreensão sobre o que é que nos faz bem, sobre o que é realmente para nós a felicidade e nesse círculo vicioso, nos jogamos outra vez em nosso hedonismo, que não nos trás a cura completa para o amor e novamente nos envia a buscar mais hedonismo, acreditando que a felicidade vai estar ali onde todos dizem que estará, e não a enxergando na loira – nesse caso a cerveja – compartilhada com outro, no convívio social ou no momento de meditação, na realização de tarefas que nos agradam, em simplesmente ouvir uma banda tocando, ver um cachorro brincando, tocar um violão ou observar o mundo girando, não a enxergamos ou valoramos por não estarem em nossos umbigos.

Só para constar: O hedonismo [Do grego hēdonē "prazer"]. É uma teoria ou doutrina filosófico-moral que afirma ser o prazer individual e imediato o supremo bem da vida humana (http://pt.wikipedia.org/wiki/Hedonismo)

Referências:


Um sóbrio em salvador (Pim – 10/03/2007),
http://www.tribuneiros.com/novo/display.php?acao=mostra&id=49


Waking life (Richard Linklater
– 2001)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Waking_life

Carnaval – e ô... e ô (Medella – 01/03/2006)
http://www1.fotolog.com/medella/17140577

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Apreciando um bom café.

Sou um grande apreciador de café, por muitos motivos, o sabor sem dúvida é um deles, mas existem outros motivos - alguns bem óbvios - e eu gostaria de examiná-los aqui.

O mais involuntário de todos é que nasci na cidade de Garça, grande produtora de café da melhor qualidade. Claro que esse "vínculo" não se manifestou de imediato no momento do parto, não havia uma mamadeira com cafezinho fresquinho passado na hora.

Se bem que, se pensarmos, pode ter sido transmitido pelo leite materno e aí vem o segundo motivo: Minha mãe é uma grande admiradora de um café com leite, sempre presente no café da manhã e no da tarde. É um hábito quase que religioso.

Nasci em Garça, mas minha família se mudou de lá quando eu tinha 1 ano e sempre viajamos para lá para visitar meus avós e tios e nessas visitas um assunto sempre era presente: O café.

Meu avô materno tinha uma oficina e uma loja de ferragens, a "Instaladora Nosso Lar", cujo clientes em sua maioria eram fazendeiros principal…

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…