Pular para o conteúdo principal

Brasil: Um país de hipócritas!

Somos quantos 150 milhões? não importa. Somos todos hipócritas.
Isso para não dizer que somos um bando de medrosos, efeminados, egoístas, burros e acomodados.

Doeu ler isso é? Aposto que doeu menos do que ouvir falar do João Hélio, aquele garoto que foi esfolado vivo no Rio de Janeiro. Ah! também deve ter doído menos do que ouvir receber uma ligação e ouvir do outro lado "mãe, levei um tiro" como aconteceu com a mãe da Priscila Aprígio, a garota de 13 anos que levou um tiro essa semana em SP.

Não se deixe enganar, e não me deixe ME enganar. Eu também sou um um hipócrita.

Quando isso aconteceu? Não sei dizer exatamente, mas faz um bom tempo. Foi quando começamos a ficar cegos, surdos e mudos. Foi quando começamos a ficar "espertos" a tirar proveito um em cima do outro.

Lembra quando compramos aquele primeiro rádio de carro na robauto? Ali incentivamos o próximo roubo, quando pagamos ou recebemos a primeira propina? ali começou o suborno e a corrupção. Foi mais ou menos nessa época. É uma pena eu não ser um historiador decente para poder narrar tudo desde o começo.

Mas enfim aonde isso se encaixa com o João ou a Priscila?

Quando ficamos cegos, surdos e mudos, demos abrigo a bandido. "Não vamos nos envolver" diziamos. A questão é essa máxima escondia uma outra situação, na qual ao invés de nos (ou melhor nós) envolvermos, nós fomos envolvidos. Envolvidos pela criminalidade pela sujeira.

Fomos sendo espertos e pagando mais barato em um rádio roubado, em um CD pirata, em um contrabando, como fomos sendo "transados" e apertamos aquele baseado, quando puxamos aquela carreira ...

Não queriamos ver que na verdade, estavamos nos enchendo de merda. Hoje a merda subiu até a orelha e agente continua sendo esperto ou "loucão" e sorrindo de uma ponta da orelha a outra ... mas com a boca cheia de merda.

Não quero nem me estender muito ... acho que minha mensagem é clara. Parabéns a todos os brasileiros, como sempre, nós somos culpados por nossos erros, mas sempre achamos um jeito de por a culpa nos outros.

Vamos continuar "não nos envolvendo" e vendo a merda subir. Vamos ficar cegos, surdos e mudos ...

Vocês podem escolher isso, porque eu já me decidi, roubando um frase da ficção científica:
"Eu não tenho boca, mas eu devo GRITAR!"




E vou gritar, esbravejar e espernear como muitos já estão fazendo. Vou fazer isso até que parem de hipocrísia, como a que fizeram hoje de aumentar a pena de preso que for flagrado usando celular. Porque hipocrisia? Porque isso não é para evitar o uso, mas para punir quem usa. Porque não metem logo uma gaiola de faraday em volta de tudo? A resposta anterior a essa sugestão foi: Questões estéticas.

Bonito é ser o país do trote do sequestro, isso sim é bonito.

E vou gritar, esbravejar e espernear como muitos já estão fazendo, até que sejamos novamente um país decente. Se é que já fomos alguma vez. Sozinho não sou nada, mas parado, sou menos ainda.

Sonho com tempos onde o povo se juntava em torno de uma ágora para decidir seu futuro, sonho com o tempo em que reis lutavam no campo de batalha junto de seus homens, pela liberdade de sua terra contra o tirano (ao invés de se vender por pouco). Sonho com o tempo em que viver tinha um significado diferente do que essa merda consumista de hoje.

E é por estar sonhando que eu me mexo tanto ...
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…