Pular para o conteúdo principal

300 ... outra vez.

Alguns intelectuais iranianos estão fazendo um alvoroço, dizendo que o filme 300 é anti-iraniano.

O filme vem causando polêmica pois dizem que é um "ataque à cultura iraniana", o jornal iraniano "Ayende-No" reclama que o filme mostra "os iranianos como demônios sem cultura, que só pensam em atacar outras nações e matar pessoas."


Freud dizia que quando Paulo fala de Pedro, Paulo fala mais de Paulo do que de Pedro.

Acho que é bem essa a situação. Dizer que o filme é anti-iraniano é mais expor um sentimento próprio. Primeiro que é um filme sobre uma HQ baseada em um fato.

Ou seja, o filme já não pretende relatar a verdade.
Segundo, Xerxes era um rei querendo construir um império. A Grécia era uma nação e queria o império dela.

Isso é, e era, normal. O uso da força era comum na antiguidade. Vários relatos daquela época citam desmembramentos, empalamentos e estupros no cotidiano das Guerras. Isso não faz de Xerxes uma figura isolada.

Xerxes me parece que irá lembrar mais os americanos, deles mesmo, do que dos iranianos.

Por fim, segue a visão do Santoro, publicada no Terra.

Como foi fazer 300?
Foi muito intensa essa experiência de trabalhar sem nada em volta. Era simplesmente o ator, o texto, as emoções e o universo imaginário. Foi uma experiência virtual. (...) O que tem de particular na experiência de 300 é o fato de eu estar trabalhando com o universo da fantasia, que é a história em quadrinho misturada com mitologia com uma ligeira base histórica, porque fazendo uma pesquisa para saber o que historicamente aconteceu, percebi que não poderia usar aquilo. Como o Xerxes do 300 era uma visão particular do Frank Miller, me aproximei mais desse personagem como um arquétipo e uma representação. Esse personagem tem elementos muito interessantes. Ele é uma representação do ego, da sedução, da vaidade, do poder. Tentei trabalhar trazendo uma humanidade para ele, humanizando o personagem.

A visão do Zack Snyder é a de que Xerxes não é exatamente o vilão do filme. Você concorda com ele?
Eu não acho que Xerxes é o vilão. O vilão é o cara que tentou estuprar a mulher (personagem de Dominic West). Xerxes é esquisito, mas ele é gente boa. Não estou dizendo que ele é bom, não é uma questão de ser bom ou ser ruim. Eu só não acho que ele seria o vilão no estereótipo do vilão. No exterior, muitos jornalistas vinham me dizer isso. Isso é muito interessante. Xerxes tem uma força. Ele é esse personagem mitológico como existem outros personagens mitológicos no filme. (...) No set, andava pra cima e pra baixo com a história em quadrinhos para me guiar para representá-lo.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha

Na semana passada, um conflito entre polícia e moradores da favela Paraisópolis em São Paulo, virou notícia. Segundo os jornais "a morte do traficante e ladrão Marcos Purcino, de 25 anos, durante uma troca de tiros com policiais militares no domingo à tarde, desencadeou a revolta de moradores da favela. Segundo o chefe do Comando de Policiamento de Área Metropolitano-5 (CPA/M-5), coronel Danilo Antão Fernandes, o protesto foi causado pela morte de Purcino, um foragido da Justiça com duas condenações por roubo".

Isso só me faz lembrar da citação atribuída a Victor Hugo "Quem poupa o lobo, sacrifica a ovelha"

ou a citação completa:

A compaixão nem sempre é uma virtude. Quem poupa a vida do lobo, condena a morte as ovelhas. (Victor Hugo)


por: Conrado Tramontini

Panis et circensis

Eu fico assombrado com o poder da mídia e a sinergia de pensamentos motivados por acontecimentos. Dia desses estava pensando em um texto justamente sobre o poder de influência da mídia sobre as atitudes e o comportamento na sociedade e sobre o papel que ela desempenha no que é conhecido sobre "política do pão e circo" muito em voga no Brasil atualmente - inclusive hoje enviei um e-mail com esse enfoque para a revista Veja, mas isso não vem ao caso. Enfim, o que observo é que as novelas, os filmes, os shows, as micaretas, as "baladenhas", o futebol, tudo isso nos aliena dos demais fatos em nossa sociedade. Ficamos tão entretidos com nossa diversão (aqui talvez exista um pleonasmo) que somos desviados do que acontece no resto do mundo - por resto do mundo, me refiro a 100 metros de onde estamos - e isso cria um lugar ideal para a proliferação de fungos, bactérias e pessoas desonestas, a base para a permissividade toma conta do país.
Não vejo isso com…

Meu pedido de noivado.

Não há melhor forma de manter uma memória que a escrever, e não recordação mais precisa, porém efémero, que nossa memória. Recordo-me de sentir a expectativa pela abertura das cortinas que se assomava dentro do teatro e pela qual eu já estava acostumado. Eu estava ansioso por outra coisa repetidamente colocava a mão em meu bolso para sentir o canto do metal em meus dedos e então voltava para ajustar a câmera fotográfica. Eu ainda tinha dúvidas se deveria realmente fazê-lo da forma que eu estava premeditando. Até aquele momento ninguém sabia, somente eu. Chequei os bolsos mais algumas vezes. A decisão de agir já estava tomada havia algum tempo. Sim, eu iria pedi-lâ em casamento, mas quando, como e onde foram respostas que vieram depois, com algumas sugestões sutis. Acho que uma primeira sugestão foi quando estava assistindo, descompromissado, um reprise de Friends e o Ross e a Rachel invetam uma história sobre um pedido de noivado e depois ele conta como teria feito o pedido e ele descre…