23 de janeiro de 2007

Boxe


Não era muito fã de esportes, muito menos de praticar algum. Mas a coisa mudou quando eu descobri uma grande paixão.

O Boxe.Isso mesmo. O Boxe. Não estou falando só de assistir a pancadaria, acabei entrando na filosofia do troço mesmo. Gostava de assistir algumas lutas, gostava de ver o Popó lutando, gostei de ver Duda "Camaleoa" Yankovich defendendo o cinturão, me empolguei com Rocky. Mas a coisa tomou forma mesmo em 3 momentos.


- O primeiro foi quando eu comprei um saco de areia e comecei a desferir socos, treinar o balanço, ver o saco sofrendo e curvando a cada pancada como se fosse um corpo prestes a cair, a mão roxeando de tanto socar e o saco rodopiando.



- O terceiro momento foi com Menina de Ouro. No filme o espetáculo das lutas, a ascenção e a vitória do ser humano lutando contra as dificuldades é contagiante. No livro, poder penetrar na filosofia do boxe. Entender o jogo, e poder sentir as cordas queimando é empolgante. Escrito de uma forma, nua e crua, o livro é frio e denso. Nada de floreios. Apenas contos que descrevem personagens interessantes e sua luta por ganhar a vida independente da vitória no boxe. Os altos e baixas, o jogo de cavalheiros, como a coisa funciona dentro e fora do ringue para esses caras que podem ficar cegos, mijar sangue, estourar um rim, quebrar costelas e narizes para ganhar a vida. Uma leitura muito boa e apaixonante.


- O segundo ficou pro fim porque é mais descontraído! Foi quando eu peguei o jogo Fight Night (site) pro PS2. Excelente. Diversão na certa. Perfeito.




Extras:
Muhamad Ali caçoando de Bush:

Postar um comentário