16 de dezembro de 2006

Bem-te-vi...

Hoje a tarde, enquanto ajudava meu pai, ouvi um bem-te-vi cantando e lembrei de uma piada que meu vô Pedro me contou uma vez na beira do lago de Garça, enquanto jogavamos pão para os patos.

Era um dia ensolarado. E o tempo estava gostoso. Assim como aqui, ouviamos muitos bem-te-vis e meu vô com aquele corpo magrelo sentado no banco, pernas cruzadas me chamou para contar essa piada.

Um bandido roubou um banco e fugiu com o dinheiro, e em um canto o bem-te-vi cantava:
-Bem-te-vi
e o ladrão protestou:
-80 para mim e 20 para ti!
-Bem-te-vi
-60 para mim e 40 para ti!
-Bem-te-vi
-50 para mim e 50 para ti!
-Bem-te-vi
Então o ladrão grito:
-Nem para mim, nem para ti!
Num arrombo o ladrão nervoso pegou a sacola e jogou em um lago.


Depois disso ele deu aquela gargalhada aspirada dele. A mesma da qual um pouco eu herdei...
A mesma que ele soltava quando me fez peixinhos de lata para brincarmos de pescaria e a mesma que dava quando arrumou com uma estrutura de metal um caminhão meu que havia se quebrado. A mesma que dava quando brincava com o louro no jardim da casa e a mesma que dava quando todos nos escondemos esperando uma vaca que tinha ficado louca estourar pela ponte, enquanto tranquilamente ele pescava no rio.

Diziam que era um homem bravo. Não lembro dele assim. Acho que o mais perto do bravo foi quando colocamos um palito de fósforo dentro de um cigarro dele escondido, para ver o que aconteceria qdo ele acendesse o cigarro. Nesse dia sim ele ficou maluco conosco e disse que ia bater com a cinta...

Hoje, sei que ele reencontrou uma companhia muito especial de pescaria pelas represas e para trabalhar em uma loja de ferragens e uma oficina ...

Juntos, os dois devem estar dando boas risadas ...

(2x saudades)
Postar um comentário